ALERGIA AOS INSETOS (Janeiro 2012)

Reações alérgicas às picadas de insetos podem ser locais ou generalizadas. As reações alérgicas locais ocorrem em 10% da população, é uma reação exagerada às substâncias presentes na saliva injetada pelos insetos mordedores ou sugadores (hematatófagos) tais como mosquitos, pernilongos e pulgas. As crianças são mais vulneráveis por frequentarem locais como parques, play grounds e áreas de lazer.

Manifesta-se por dor local, vermelhidão, inchaço, coceira e formação de pápulas (caroços) que podem evoluir para bolhas que rompem e formam feridas. As feridas podem se contaminar e infectar evoluindo com secreção amarelada e podem deixar inclusive cicatrizes.

Eventualmente surgem as lesões satélites, ou seja, ao redor de uma única picada de mosquito, pernilongo ou pulga podem surgir outras lesões semelhantes, sem a necessidade de outras novas picadas.

Reações locais ocorrem mais frequentemente na infância desde o primeiro ano de vida até 7 anos idade, idade na qual o paciente pode melhorar pela dessensibilização natural, ou seja, uma parcela das crianças podem evoluir naturalmente para a cura, como se fossem naturalmente dessensibilizadas pelas repetidas picadas de mosquitos.

Ao receber uma picada deve-se lavar imediatamente o local, aplicar gelo, tomar  antialérgicos (antihistamínicos) que  reduzem a coceira e passar cremes a base de corticóides que reduzem a inflamação no local. Deve-se ter cuidado com infecção bacteriana secundária nessas lesões, por isso, cuidar com a higiene do local.

Para prevenção das picadas por mosquitos e pernilongos, deve-se evitar o contato com esses insetos usando mosquiteiro, repelentes e inseticidas sempre com orientação do alergista para que esses produtos não causem alergia.

As reações alérgicas generalizadas após picada de insetos podem ocorrer em 1% das crianças e em torno de 3 a 5 % dos adultos, é uma reação exagerada ao veneno de insetos picadores (himenópteros) tais como abelhas, vespas, formigas. Os trabalhadores rurais também constituem uma população de risco de maior exposição aos insetos.

Além da dor e vermelhidão no local da picada ocorrem outros sintomas como placas vermelhas por todo o corpo (urticária), coceira no corpo, inchaço em olhos, lábios, língua, garganta, dificuldade de respirar, aperto no peito, queda brusca na pressão arterial e desmaio, quadro chamado anafilaxia ou choque anafilático.

Essa é uma situação grave e o paciente deve ser encaminhado imediatamente para um serviço de emergência e receber adrenalina. Esses pacientes com diagnóstico de alergia aos himenópteros devem também portar a adrenalina auto-injetável para casos de emergência.

No caso da abelha ela deixa o ferrão que deve ser retirado delicadamente sem apertar ou espremer. Se possível levar o inseto para ser identificado pelo médico.

Para o diagnóstico, além da história clínica, existem testes cutâneos alérgicos realizados na pele e dosagem de IgE no sangue específica contra o veneno desses insetos.

Como tratamento é indicada a imunoterapia, ou seja, injeção de pequenas e crescentes doses do veneno do inseto, faz com que reduza a intensidade da reação do sistema imunológico quando entra em contato com essas substâncias presentes no veneno dos insetos.

 

Como prevenção de picadas por himenópteros (abelhas e vespas) e formigas:

1. Evitar locais com colméias, vespeiros e formigueiros.

2. Evitar comer ou beber principalmente alimentos doces em ambientes externos, não beba refrigerantes, sucos diretamente de latas abertas, os insetos podem ser atraídos pelo doce e cair dentro das latas, quando comer na rua, manter os alimentos cobertos durante todo o tempo.

3. Evitar usar perfumes, sabonetes, loções, colônias, desodorantes, sprays de cabelo com cheiros fortes e adocicados que atraem os insetos.

4. Evitar roupas muito coloridas que atraem as abelhas.

5. Sempre andar calçado, evitar sandálias ou andar descalço na grama.

6. Cuidado quando estiver jardinando.

7. Nunca esmague um inseto voador, gentilmente afaste-o ou espere-o voar.

8. O lixo deve ser acondicionado em latas fechadas, para não atrair insetos.

9.  Manter janelas e portas fechadas para evitar entrada dos insetos.

10. Dirigir com as janelas do carro fechadas.

11. Manter as medicações prescritas a mão e seguir as instruções médicas se for picado.

 

Se você tem reações alérgicas locais frequentes e duradouras as picadas de mosquitos, ou se já teve reações alergicas generalizadas a picadas de abelhas, vespas, marimbondos e formigas deve consultar um especialista em alergia e imunologia para avaliar adequadamente o caso, fazer o diagnóstico através de exames, receber orientações de proteção, sobre a necessidade de tratamento especifico para seu quadro e ser orientado sobre o que fazer em caso de emergência.

 

Dra Loraine Landgraf

Alergia e Imunologia